DIÁRIO DE APRENDIZADO – Inimigos á Amantes (Enemies to lovers) #adaptação #tradução

Olá, sejam bem-vindos a mais um post! Hoje veremos como criar enredos e algum exemplos de como escrever a conhecida trope “Inimigos á Amantes”.

A pedido de um leitor:

A primeira coisa que temos que prestar atenção é em sua definição.

Como nasce essa trope?

De acordo com minhas pesquisas, a Fanlore nos diz que:

“Inimigos para amantes é uma trope comum na literatura erótica e romântica que aparece regularmente em fanfiction. Os dois personagens geralmente têm uma longa história de conflito um com o outro. Eles podem estar em lados opostos de uma luta ou podem apenas ter se encontrado em circunstâncias infelizes e suas personalidades entraram em conflito. Freqüentemente, há muita briga e tensão sexual não resolvida.

Obras usando esta trope se diferem de Hatesex fics, em que esses personagens não odeiam ativamente entre si ou quer prejudicar o outro. Esses relacionamentos raramente são violentos ou  contem non-con.”

Sendo assim, é uma ferramenta usada predominante em romances românticos e fanficiton, onde as histórias têm um cunho mais positivo e menos violento, havendo alguns níveis de variação entre elas.

Algumas das variações são:

Inimigos á Amantes que não precisam se odiar

Um blog fala sobre isso bem aqui. Ela diz:

Inimigos á amantes significa que eles são inimigos e não exatamente que se odeiam. Eles podem ter alguma rixa, guerra, conflito ou problema no mundo que os colocam como antagonistas. Então, essa trope pode incluir a situação “do ódio ao amor”, mas não é obrigatório. Já “ódio ao amor” nem sempre vai se tornar “inimigos á amantes” Às vezes, os personagens só se odeiam mesmo. E é isso. Han Solo e Leia se odiavam, mas nunca foram inimigos. Mr. Darcy e Elizabeth também.”

O mesmo é o que acontece com um casal de estudantes. Eles apenas não gostam um do outro, se isso vai virar amor em algum momento é outra coisa. Também temos dois estudantes que podem estar sempre competindo pelo primeiro lugar em tudo e de tanto frequentar os mesmos lugares e competições, acabam se conhecendo melhor. E claro que podemos imaginar dois competidores que não se odeiam, mas são rivais. Tudo vai depender do seu objetivo criativo. É fazer um romance romântico? Aventura? Competitivo? Apenas alguém que odeia outra sem motivo ou romance? É só escolher.

Inimigos á Amigos á Amantes

Embora “Inimigos á amigos á amantes” e os “Inimigos á amantes” possam se parecer, nem sempre é esse o caso. Às vezes, dois personagens que são inimigos e têm tensão sexual, caem rapidamente em um relacionamento sexual (ou romântico), pulando a etapa de desenvolver uma amizade primeiro. Para alguns isso pode ser algo satisfatório, porque assim nos faz chegar a parte mais divertida do relacionamento. Entretanto, desenvolver a amizade é crucial para que haja uma progressão narrativa mais natural e verossímil, nos fazendo presenciar cada passo do caminho.

Se eu pudesse julgar, diria que pular de Inimigos á amantes é um caminho bem mais rápido e preguiçoso criativamente. Os dois podem funcionar, mas é bem claro que fazê-los ser amantes antes do tempo encurtará grande parte do enredo.

Rivais á Amantes

“Rivais á Amantes” difere de “Inimigos á amantes” na intensidade do antagonismo entre os personagens. Eles geralmente não gostam um do outro por motivos menos sérios e podem se sentir competitivos, em vez de desejar um dano verdadeiro para o outro, algo que parece quase infantil ou inocente. O trabalho dos Rivais se desenvolve mais no aspecto fluff da coisa ou até no Mutual Pining, algo que simboliza um personagem ansear pelo outro em segredo, já que as duas pessoas aprendem a se dar bem, mas que não precisam superar quaisquer divergências morais significativas.

Algumas caracteristicas:

  • Eles tem uma dinamica propria. Estão sempre completindo, mas forma amigavel;
  • Junto a “inimigos á Amantes”: duas pessoas em lados opostos de uma guerra, uma batalha ou feudo que se apaixonam e trabalham juntos para dar um fim ao conflito;

  • Rivais para amantes: não há guerra, batalha ou feudo. Se houver, eles estão do mesmo lado, eles simplesmente se odeiam e depois aprendem a se respeitar ou amar.

OBS: Parece que ser um rival é codigo para ser gay ou ter um interesse sexual ou romantico em outra pessoa, como se o personagem estivesse predestinado a ter esse amante e todo mundo sabe disso. Harry, é você? Brincadeiras a parte, penso nisso assim: se esse rival não fosse tão importante você passaria anos o perseguindo e o combatendo, com muito mais vontade e dedicação do que é o aconselhado? Naruto é outro exemplo classico. Para casais femininos ou heteros funciona da mesma forma. Ou é inveja, ou é ciume ou só pode ser amor/paixão.

Características

O motivo dessa trope existir é para fazer pessoas que geralmente não se dão bem, conviverem ou terem algum tipo de relacionamento.

Alguns exemplos são:

  • Eles são forçados a trabalhar juntos para alcançar um objetivo comum;
  • Passar a respeitar uns aos outros, construindo lentamente um relacionamento de amizade ou sexual.
  • Seu relacionamento pode mudar como resultado das circunstâncias;
  • ‘Inimigos que são aliados ressentidos em um tempo de crise;
  • Respeito mútuo rancoroso devido ao apego crescente;
  • Ocultar sentimentos por ter sofrido uma traição anteriormente;
  • Reconciliação lenta com um entendimento entre abas as partes, se transformando em uma amizade estranha, mas sólida;
  • Sentimentos inesperados (em um tempo de crise) e a negação desses sentimentos, enquanto nos aproximamos de uma relação verdadeira de afeto/amorosa;
  • Amigos que um dia, por algum motivo, acabam se envolvendo. Pode ser pela influência de amigos, por frequentar os mesmos lugares e uma situação incomum. 

É interessante frisar que há uma diferença entre a trope de ‘inimigos á amantes’ e enviar alguém como seu agressor. Se um história tem alguém literalmente assediando, agredindo ou sendo traumatizado, é abusivo e tóxico. Existe uma grande diferença.

Como escrever um “Inimigos á amantes”? (x)

O inicio

Começa quando dois personagens tem algum tipo de diferença, conflito ou inimizade.A maioria das pessoas diz que tem que terminar em um relacionamento amoroso, mas eu vou deixar essa parte em aberto; o importa nem qualquer história é como chegamos até lá e não quando, nos mostrando o que esses personagens tiverem que fazer até o final do enredo. Esses ‘inimigos’ precisam superar suas diferenças e, no processo, eles se apaixonam ou criam um laço de amizade.

O tipo de ‘inimigos’ que eles são pode variar de inimigos reais a simples competidores. Talvez seja um príncipe e um casal de ladrões. Talvez sejam soldados de países em guerra. Talvez sejam rivais em uma competição e ambos queiram o grande prêmio.

No entanto, eles precisam bater frente desde o início, logo na fase da exposição da sua história.  Eventualmente se unirão para conquistarem um objetivo comum. Essa colaboração serve como um catalisador para que seu relacionamento saia do estágio de ‘inimigos’ e vá para algo a mais.

Os estágios de inimigos para amantes

Comece encenando o primeiro momento de embate entre eles e explique porque os personagens são inimigos/rivais. Defina o que os torna competidores ou antagonistas, se lembre de sempre mostrar e não contar. Se é um mercenário contratado para encontrar um fugitivo, vamos ver isso em ação.

Em seguida, destaque o motivo deles estarem juntos nessa confusão. É quando eles percebem que precisam trabalhar juntos em algo . Os personagens têm que ir juntos em busca de algo ou são forçados a passarem algum tempo juntos na tentativa de realizar algo.

É aqui que devemos deixar claro no texto qualquer atração física com antecedência para no futuro não parecer forçado. Talvez um personagem tenha covinhas e o outro perceba. Talvez um perceba que o outro tem o cabelo muito brilhante. Qualquer detalhes que dê uma conotação de atração/romance pode funcionar.

Conforme a história continua e os personagens ficam desconfiados uns dos outros, comece a colocá-los em situações em que possam construir a confiança . Talvez um salve a vida do outro/ o ajude em alguma coisa e o outro retribua o favor mais tarde. Talvez eles estejam acampando durante a noite e um diga que tem medo do escuro, então o outro acende uma fogueira maior. Esses pequenos momentos de dar e receber – e de vulnerabilidade – começam a plantar as sementes da confiança.

Eventualmente, surge algo que desafia essa lealdade que eles começaram a construir. Talvez um segredo seja revelado, ou um personagem tenha que escolher entre seu inimigo que se tornou aliado e um velho ‘amigo’. Isso vai variar com base no seu enredo, mas geralmente há um teste colocado no novo relacionamento.

E, finalmente, os personagens têm seu momento de descoberta em que percebem que se apaixonaram um pelo outro. Seu personagem pode perceber isso antes de admitir em voz alta, ou talvez aconteça espontaneamente em uma situação perigosa. Independentemente de como você configura o grande avanço, ele tem que vir em ações mostradas na pagina.

Após a descoberta, eles precisam decidir como querem seguir em frente.

Este é um padrão geral de eventos, e muitas coisas acontecerão entre esses momentos. Ao escrever, pense em como cada ação, reação e decisão afetará o estado desse relacionamento.

Mostrando tensão e conflito entre inimigos e amantes

Como você provavelmente não quer mostrar personagens intimidando uns aos outros, pense em outras maneiras de destacar a tensão e o conflito. Alguns exemplos incluem:

  • O personagem 1 está mudando de lealdade fora de sua nova aliança com o personagem 2.
  • Os personagens A e B não têm certeza das intenções dos outros depois que seu objetivo comum é alcançado.
  • O personagem 2 adora comer uma comida que o personagem 1 odeia, e é uma pequena maneira de antagonizar o outro.
  • O personagem A está escondendo um segredo de seu inimigo que se tornou um aliado temporário, o personagem B.
  • Os personagens 1 e 2 costumavam ser amantes, se separaram e agora precisam trabalhar juntos.

Existem muitas maneiras de mostrar que estão trabalhando em meio ao conflito. Muito disso virá de conversas, desculpas necessárias e lições aprendidas.

Formando laços, vinculos e relacionamentos

E, assim como todo relacionamento tem conflito, você também precisa mostrar por que os personagens compartilham um vínculo entre eles. Isso é especialmente importante de inimigos para amantes, porque essas peças de terreno comum são os catalisadores para os personagens se afastarem da dinâmica do ‘inimigo’.

Alguns exemplos incluem:

  • Descobrindo que eles compartilham certos valores
  • Pequenos shows de vulnerabilidade revelando partes de seu passado ou seus medos
  • Um salva a vida do outro – ou eles salvam um ao outro!
  • Um lembrando o outro de alguém que eles perderam
  • Descobrir que eles compartilham um passatempo ou interesse semelhante, ou até mesmo uma comida favorita
  • Descobrir que eles têm uma história ou passado semelhante

E, como observação lateral, tudo isso se aplica a relacionamentos fora do casal romântico que você está escrevendo. Amizades, aliados e todos os outros relacionamentos na página vão exigir esse tipo de dar e receber – grande ou pequeno!

Depois de saber o que esses personagens têm em comum, você também deve fazer pequenas demonstrações de amizade e afeto. Algumas ideias incluem:

  • O personagem A está indo para a cidade para fazer um reconhecimento e obter suprimentos. Eles também escolhem a comida favorita do personagem B. O personagem B pode ser surpreendido em silêncio ou pode usar a oportunidade para provocar o personagem A sobre a demonstração de amizade.
  • O personagem 1 revelou um trauma passado ao personagem 2. Algo aciona o personagem 1, e o personagem 2 oferece algum tipo de sabedoria ou conforto naquele momento.
  • O personagem B garante que o personagem A tenha cobertores suficientes para a noite.
  • O personagem 2 lembra o pedido de café do personagem 1.

Pense na maneira como construímos amizades e relacionamentos na vida real. Grandes gestos são muito bons, mas geralmente são os pequenos momentos de conexão que formam a base para todos os nossos relacionamentos, românticos ou não.

Subvertendo regras e criando tensão

Por exemplo, digamos que seus personagens estejam viajando em uma missão e concordem em obter quartos separados sempre que se hospedarem em uma pousada. Uma noite só tem um quarto disponível e só tem uma cama, então eles têm que compartilhar. Talvez um personagem insista que o outro fique com a cama. Talvez eles concordem em compartilhar e acordar aninhados. Esse tipo de situação pode ser divertido para os leitores e aproximar os personagens.

Informações compartilhadas e segredos são outro exemplo. Talvez o par concorde em compartilhar informações, mas um deles descobre algo novo e decide manter em segredo para manter o outro seguro. Isso não é feito por malícia – é o oposto! Mas de alguma forma, alguém revela o segredo, e o personagem no escuro se sente traído. Isso configura um desafio à lealdade pela qual trabalharam ao longo da história e força a dupla a ter uma conversa sobre o que aconteceu e como seguir em frente.

Estes são apenas dois exemplos de como você pode pegar as regras que seus personagens criaram e distorcê-las para promover o relacionamento.

Seus personagens podem e devem cometer erros. Erros não tornam necessariamente o par tóxico, contanto que você mostre resoluções, desculpas, etc.

Agora que vimos alguns exemplos e estrutura, a segur veremos mais alguns exemplos que seguem essa trope.

Filmes

Encontrei algunas resenhas que nos ajudavam a ver a trope (x)

10 Coisas que Eu Odeio em Você (Gil Junger, 1999)

Um dos casais enemies to lovers mais amados do cinema, Kat Stratford (Julia Stiles) e Patrick Verona (Heath Ledger) são bastante parecidos: decididos e teimosos. Baseado na obra de Shakespeare “A Megera”, 10 Coisas que Eu Odeio em Você é um romance adolescente, onde o badboy da escola é pago para sair com a menina que é temida por todos por ser conhecidamente explosiva e “difícil de lidar”. Kat não tem paciência para festas ou namoros e prefere não interagir com as pessoas da sua escola, tornando a missão de Patrick ainda mais complicada. Entre várias brigas e discussões, os dois começam a passar mais tempo juntos e percebem que têm mais em comum do que imaginavam.

Reprodução: Internet

Um Amor Para Recordar (Adam Shankman, 2002)

Aqui os opostos se atraem. Landon Carter (Shane West) é um jovem delinquente e um aluno problemático que é obrigado a cumprir horas de serviço comunitário na escola, incluindo participar da peça realizada pela turma de teatro e ser tutor para alunos mais jovens. Nestes serviços, ele encontra Jamie (Mandy Moore), a filha do pastor que canta no coral da igreja, veste vestidos longos e carrega a Bíblia para todos os lugares. Em busca de ajuda com a sua atuação para a peça, Landon procura Jamie e é com essas aulas que os dois começam a se aproximar e ele percebe que a menina é muito mais surpreendente do que ele pensava.

Reprodução: Internet

A Bela e a Fera (Bill Condon, 2017)

A Bela e a Fera é um dos enemies to lovers mais clássicos e famosos do mundo. A primeira versão dessa história foi lançada em forma de fábula, em 1740, mas foi apenas em 1991 que o primeiro filme, em animação, foi lançado pela Disney. A jovem Bela (Emma Watson) está cansada de sua vida na pequena vila francesa. Seu pai, Maurice, viaja um dia para expor uma de suas invenções e, ao colher uma rosa do jardim de um castelo para levar para Bela, é preso pelo príncipe dono daquelas terras – um jovem amaldiçoado por uma bruxa, que prometeu que ele seria uma Fera até que encontrasse o amor verdadeiro. Em troca da liberdade de seu velho pai, Bela se entrega à Fera (Dan Stevens) e pede para ser sua prisioneira. Com a ajuda dos utensílios falantes do castelo, Bela será a responsável por entrar no coração de gelo da pobre Fera e quebrar a maldição.

Reprodução: Internet

Orgulho e Preconceito (Joe Wright, 2005)

O clássico de Jane Austen é a perfeita definição de inimigos que se tornam amantes. Mr.Darcy (Matthew Macfadyen) é um rico, amargo e recluso cavalheiro que está de passagem com seu amigo, Mr.Bingley, por uma pequena vila na antiga Inglaterra, onde mora Elizabeth Bennet (Keira Knightley), uma inteligente e afiada jovem. Por ser a segunda filha mais velha da família, Lizzie sente a pressão da mãe – uma casamenteira nata – para se casar e sair de casa. O ódio entre esse casal aparece à primeira vista, desde quando se conheceram se acham intoleráveis e estão sempre discutindo. Entre muitos bailes, desencontros e xingamentos, Mr.Darcy acaba admirando a boca esperta e a audácia de Lizzie, enquanto essa começa a perceber que a aparente grosseria e reclusão do cavalheiro não passam de mal entendidos e não interferem em sua boa natureza e grande coração.

Reprodução: Internet

A Proposta (Anne Fletcher, 2009)

A Proposta é um dos enemies to lovers mais icônicos do cinema. Nessa comédia romântica com um elenco excepcional, Sandra Bullock é a temida Margaret Tate, uma editora chefe que faz a vida de todos os seus empregados um inferno e não pensa duas vezes antes de passar por cima de qualquer um para ter o que quer. E, normalmente, Andrew (Ryan Reynolds) é a pessoa que é atropelada por ela. Interpretando o assistente e fiel escudeiro de Tate, Reynolds tem um ódio mortal pela chefe, mas aguenta seus abusos pois tem o sonho de se tornar editor um dia.

Esse sonho parece um pouco mais próximo quando, depois de ser ameaçada de deportação pela embaixada estadunidense, Margaret oferece a promoção a Andrew se ele fingir ser seu noivo e se casar com ela para que ela ganhe a nacionalidade do país e não precise voltar para o Canadá. Precisando provar que o relacionamento deles é real, o casal começa a passar bastante tempo juntos fora do escritório e tudo o que eles achavam que sabiam um do outro devido ao trabalho vai por água abaixo depois que começam a realmente se conhecer.

Reprodução: Internet

Videos

Livros

Nesse site temos indicação de mais alguns livros.

 

FONTE

https://www.queriaestarlendo.com.br/2021/09/casais-enemies-to-lovers-x-casais-hate.html

https://fanlore.org/wiki/Enemies_to_Lovers

https://btleditorial.com/2021/02/16/enemies-to-lovers-trope/

https://www.jornalismo.ufv.br/cinecom/top-5-filmes-com-casais-enemies-to-lovers/

https://submundoliterario.wordpress.com/2021/05/12/6-enemies-to-lovers-para-se-apaixonar/

 

Transformei esse post em um Diario de Apredizado porque aprendi tanto e percebi que esse trope é mais complexo que apenas uma inimizade e um beijo no final da história. Foi muito interessante e vocês, o que acham? Tentei deixar o mais dinamico possivel e achar a maior quantidade de informação. Espero seja util. Não esqueça de apoir o blog, curtir, comentar e compartilhar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.