Vou fazer uma listinha de pedidos. Se você puder ajudar só em uma, eu ficarei muito grata.- Dá dicas de plot twist, em que um vilão na verdade é a vítima da estória, por favor? E que não odeia o herói, mas sim algo que está relacionado à ele?- Como narrar em um gênero oposto?- Como “humanizar” mais os personagens? – Heróis que não agem de forma certa na maioria do enredo.- Como descrever que uma pessoa que gosta de outra, mas ela está disfarçando?- como narrar pessoas que se arrepende, por meio de ações?- como narrar relacionamento abusivo, mas sem ser de namorados/maridos?- como abrasileirar um universo fictício?

Oi, tudo bem? São perguntas muito interessante e que precisam de um post para cada um deles.

Por cima, posso responder que a melhor forma de mostrar qualquer coisa é demonstrando através de ações, o “Show, don’t tell”. Basicamente, precisamos de uma ação/acontecimento e uma reação/consequência.

Narrar em um gênero oposto, você quer dizer masculino ou feminino? Transgênero? É complexo. Tento não pensar sobre isso quando estou escrevendo, a não ser que seja um tema especifico a cada gênero, como o machismo, como a mulher deve se comportar, o tratamento daqueles não são o padrão que a sociedade tenta nos impor. Quando escrevo tento fazer algo que fique neutro de forma que se eu mudar o gênero do personagem, nada seja modificado. Por exemplo, um par de namorados ou amigos, para mim não importa o gênero deles, desde que a história seja boa e não desrespeite ninguém.

Para humanizar personagens é bem simples. Pense numa pessoa normal? Qual a primeira coisa que reparamos? Em seu rosto e sua atitude. Ela parece seria? Sorridente? Confiante? Essa é a primeira camada, as mascaras que usamos, entretanto, por debaixo de tudo isso, temos o conjunto de características que todos temos. Amores, inimizadas, falhas, fraquezas, qualidades, defeitos e imperfeições. Você prefere ler sobre o Homem de Ferro ou sobre o SuperMan? Qual seria o personagem mais interessante de escrever? É sobre isso humanização, é tirar os personagens do pedestal e dar aspectos negativos para eles e vê-los lidando com isso.

Para heróis que não agem de forma certa na maioria do enredo. Você quer dizer anti heróis? Bem… cai naquela coisa de humanizar personagens. O único herói perfeito é o modelo grego, porque o atual… eles não são perfeitos. Se você for olhar para os últimos dez anos verá isso. Até o Homem-Aranha não é perfeito, ele faz uma coisa e acaba acontecendo outra ou dando tudo errado. No fim, essa é a graça da coisa, ninguém se identifica com um ser perfeito e que nunca erra, até porque essa pessoa perfeita nunca evoluíria ou aprenderia coisas novas, como o Watchmen. Posso dar alguns exemplo em um proximo post.

Para descrever que uma pessoa que gosta de outra, mas ela está disfarçando? Tem alguns jeitos. Quando alguém presta muita atenção a outra pessoa, falando mal ou bem dela. Eu não queria fazer isso, mas… aquele tipo de bullying leve que eu odeio. Tentar ser amigo dessa pessoa. O olhar de longe sem nunca se aproximar. Evitar estar no mesmo lugar que essa pessoa e etc. O segredo está na negação do sentimento e no evitamento. Quando alguém disfarça? O corpo não mente, fica nervoso, corar, não conseguir olhar na cara dessa pessoa, se cercar de outras pessoas para não ter que falar com ela. Existem milhares de exemplos.

Para pessoas que se arrepende, por meio de ações? Sim, sempre. Primeiro temos que ter a coisa que ela se arrepende. Pode ser uma desculpa direta, dar um presente, tentar reconquistar essa pessoa, se for um crime se entregar ou tentar remendar o que foi feito. Tudo vai depender da situação em que o personagem está inserido, o importante é mostrar a ação e não meramente contar que ela se arrepende.

Para narrar relacionamento abusivo, mas sem ser de namorados/maridos. Existem tantas que eu ficaria deprimida se te disse. A mais comuns são: amigos interesseiros, que gostam de ter o poder sobre outras pessoas, egoístas e possessivos. Família, mãe egoísta que só pensa nela, pai ausente, tio que abusa de crianças, trabalho infantil, violência infantil, abandono geral. No trabalho, chefe abusivo/injusto que gera competitividade que não é necessária, assedio mora e físico. Esses são os mais comuns.

Para abrasileirar um universo fictício? Agora ficou mais complicado. Se é um universo que já existe, eu buscaria na fonte e se existe uma tradução oficial. Se for uma mitologia, buscaria dicionários sobre esse assunto. Tudo vai depender. Me lembro de estar escrevendo sobre vampiros, tive que criar um sistema de castas e alguns termos para tentar me aproximar de alguns em inglês. O segredo é usar palavras que façam mais sentido para a nossa lingua, então ter um dicionário por perto ajuda muito, além do fato que depende do que você quer escrever, não há como padronizar tudo na vida.

Espero que essas dicas tenham ajudado e se você tiver uma pergunta mais especifica pode mandar! Vou tentar fazer alguns posts sobre esses assuntos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.