Dia 94 – Como escrever de forma mais clara e forte #100diasdeprodutividade #escrita #tecnicas narrativas

Olá, hoje falaremos sobre algumas dicas que podem ajudar a ter um texto mais bonito e claro, de fácil entendimento, e principalmente, com palavras fortes.

Lute contra o vício do excesso

Sabe aquelas frases com mais palavras do que o necessário? Todos nós os escrevemos. Frases longas e atoladas de palavras que apenas floreiam a escrita e não trazem nada de interessante ou informativo, essas são as palavras-cola; elas preenchem os espaços vazios em sua escrita pelos quais os leitores precisam passar para chegar ao importante. Quase toda escrita pode se beneficiar de uma redução nas palavras de cola para melhorar a clareza. Claro que às vezes elas são necessárias, porém, limite-as, não as use sempre e apenas se você sentir que falta algo. Por exemplo, aquelas descrições de ambiente deslocadas de qualquer contexto ou enredo, ou monólogos internos que parecem durar seculos.

Original: Carlos foi capaz de usar as informações que ele tinha em seus arquivos e falou com várias pessoas sobre o problema e conseguiu resolvê-lo.
Palavras de cola: 58% – comprimento da frase 28 palavras

Versão limpa: Carlos resolveu o problema usando seus contatos e as informações disponíveis.
Palavras de cola: 36% – Comprimento da frase 11 palavras

A reformulação salva 17 palavras em uma frase de 28 palavras. Isso fará uma grande diferença para o seu leitor. Livre-se do excesso, assim não cansando seu leitor. Porém, se lembre, manter uma escrita limpa e econômica não quer dizer abandonar a descrição de ambientações.

Fortaleça suas palavras vagas ou abstratas

É um tópico doloroso. Palavras abstratas e generalizadas são um conforto, fazem parte da fala popular e, infelizmente, não da escrita. Falar mudar “aquela coisa” para “aquela caneta” é o que traz a verdadeira clareza para um texto. Um exemplo é um editor de gramática, ele te dará uma lista de todas as palavras vagas e abstratas que você usou em sua escrita e sugere palavras semelhantes que são mais fortes ou mais concretas. O segredo é usar palavras especificas. Ao invés de usar “um caderno”, que nos dá a ideia de que pode ser qualquer caderno, use “o caderno verde com listras”, já esse caderno é um específico, é “o caderno” e não “um caderno”.

Advérbios! Precisamos dizer mais?

A estrada para o inferno é pavimentada com advérbios.– Stephen King

Tudo bem, eu admito. Amo meus advérbios, eles são ótimos e dão o tom que minhas histórias pedem, ou na maioria das vezes é assim. Embora, nem sempre eu os use, sempre tentando me abster quando aquela parte do enredo e da cena não se trata de sentimentos. Então, sim, eles são uteis, mas eles também podem complicar nossa vida se não os usarmos com cuidado.

Vão haver momento onde dar uma floreada no texto será necessária. Por exemplo, quando pessoas estão apaixonadas o mundo se torna diferente e tudo bonito, então palavras bonitas também devem ser usadas. Já quando estamos no meio de uma cena tensa, palavras mais específicas e direto ao ponto são a melhor opção. Assim, tudo depende da ocasião. Se você puder, evite os advérbios, se não puder, se divirta.

Verbos

Outra forma de manter uma escrita mais forte e clara é usar o tipo certo de verbo. Eles são o núcleo do seu texto, o centro, onde toda a estrutura gramatical e semântica se baseia. Para parágrafos mais fortes, tente usar verbos únicos, nada que exija conjunção adverbial. Por exemplo, “tem feito” é uma conjugação, já “fez”, “executou” ou “realizou” são verbos fortes porque eles não precisam se apoiar em qualquer outra estrutura. Na verdade, os verbos são as estruturas que dão suporte para o resto do texto, e se a base não é muito bem construída, o que falar do resto da estrutura? Ela só pode desmoronar.

OBS: Eu apenas usaria conjunção adverbial para narrar ou dar um breve resumo do que aconteceu anteriormente. Como,“Amanda havia andado pelo shopping durante horas até parar em frente ao que procurava.” Eu uso como apresentação a um novo capítulo ou historia. De resto, fica muito fraco. Temos milhares de verbos e sinônimos de verbos. O que custa abrir um dicionário ou dicionario de sinônimos e tentar encontrar o melhor verbo possível? Se depois de procurar não encontrar a palavra perfeita, é aceitável colocar uma ou outra conjunção.

Voz passiva e ativa

Sim, como o texto é montado também é importante. Se usarmos a voz passiva, vai parecer que uma terceira pessoa está no foco da narração, já se usarmos a voz ativa, trará o protagonista para a frente da lente.

Exemplo:

  • Voz Passiva: Kelly foi atingida pelo caminhão.
  • Voz Ativa: Kelly se machucou.

Vocês entendem a diferença? Eu usaria a voz passava se fosse uma terceira pessoa narrando o fato, contando na visão dela o que aconteceu. “Eu estava varrendo minha calçada quando vi um caminhão vir com toda a velocidade contra Kelly. Coitadinha, ela mal teve tempo de sair da frente.”

Agora, pela visão da Kelly: Eu trancava meu carro quando ouvi um barulho de buzina. Corri para o outro lado da calçada, mas não fui rápida o suficiente. Meu carro foi atingido e junto com ele, minha perna. Tive sorte de sair viva.”

Literalmente, a voz passiva serve para contar um fato e voz ativa para o personagem contar um fato. Use isso da mesma forma na sua escrita, deixe o personagem falar ao invés de contar as coisas por ele.

Obrigada por ler e até a próxima!

2 comentários em “Dia 94 – Como escrever de forma mais clara e forte #100diasdeprodutividade #escrita #tecnicas narrativas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.