DIA 56 – Como escrever de uma forma mais pessoal #100diasdeprodutividade

Olá, como vão todos? Hoje quero desacelerar um pouco e conversar sobre algumas formas de tornar nossas histórias mais íntimas, ou fazer com que elas pareçam assim.

Escreva da forma certa.

A primeira coisa que nos aproxima dos personagens ou historias é o ponto de vista e como você escolhe as palavras. Passei anos contando a história de uma forma, lendo e estudando, mas só entendi o que era contar uma história da melhor forma possível quando fui em um workshop aqui em SP. Eu não consegui terminar ele, mas os pouco encontros em que fui foram uma grande revelação. Eu nem cheguei a escrever muito, parece que eu só precisava de alguém me mostrando o mais diretamente para eu entender. Sabe aquelas partes da história que a gente só… conta, parecendo um sumário gigante, ou quem sabe um monologo? Quando o personagem fala ‘hoje eu fiz isso ou senti aquilo’? Que tal mostrar o personagem fazer essas coisas e tentar descrever com ações o que ele sente? Por exemplo:

Hoje fui ao shopping, me sentindo claustrofóbico = Antes de arrevesar a rua, olhei para os dois lados e quando vi que carros não vinham, andei pelas faixas de pedestre até chegar a outra calçada, entrando no shopping. Os dois guardas em frente as portas automaticas acenaram para mim e mediram minha temperatura com um aparelho pequeno e só depois me deixaram entrar. Dei um passo para dentro e parei, minha garganta se fechando e uma vontade súbita de fugir daquele lugar. Pessoas passeavam de um lado para outro como se nada tivesse acontecido, mas elas usavam mascaras e se mantinham a um metro de distância sem precisarem ser pedidas. Havia sido um grande erro ir ali.

Viram? Não está perfeito, mas é bem mais interessante. O objetivo é deixar o personagem viver aquela experiencia e não contar a experiência do personagem. Isso é chamado de “Show. don’t tell” ou “Contar e mostrar”.

Escreva o que importa para você.

Sei que é obvio, mas… será que é mesmo? Quando digo isso não quero que você escreva pensando em uma moda ou no que daria audiência. É legal ser reconhecido? Muito. Porém, se você fizer porque pensa que assim mais pessoas te leriam… no fim vai ser mais torturante do que precisava. Imagina passar um ano ou mais fazendo o que você odeia só porque te dá ibope? Tirando o fato de que se você gosta daquilo, você conhece bem esse assunto. Você pesquisou muito, não? Bolou varias coisas? Tudo isso é muito bom, entretanto, sinto em informar, o que fará sua história ser boa é a sua voz.

O que isso significa?

Todos nós temos aquela voz interior, não temos? Que nos diz o que devemos fazer porque a fazemos. Sabe quando você se pega pensando consigo mesmo, discutindo algo com você mesmo? Essa é sua voz interior, e é isso o que tento passar para o papel, porque enredo, situações e personagens são ótimos, mas deixar escorrer para o texto aquele pensamento ou discussão que eu não teria a oportunidade de dizer a outras pessoas, é o que falta para dar uma personalidade especial a algum personagem.

Não estou dizendo que vou colocar todos meus pensamentos e minha personalidade nos personagens, mas o que os torna tão especial e próximos a mim são aquelas pequenas coisas que acabo emprestando a eles. Essa é a minha voz no meu texto.

Escreva uma situação que você já passou.

Sim, pode ser o enterro de um parente, um crush nunca realizado ou uma situação estranha. O importante não é a situação em si e sim a forma única que você pode contar, são os detalhes que virão junto com a história. Como você acordou naquele dia? Foi um baque bem de manha? Te contaram no meio do dia? Você gostava daquela pessoa? Você odiava? Quais foram seus pensamentos? Você se sentiu culpada? Encabulada? Não sentiu nada? Use sua voz interior e conte a história que só você contar. Experiencias são únicas e preciosas.

Escreva uma situação que você gostaria de ter passado.

Agora é o momento de imaginar, de fantasiar sobre aquela pessoa ou lugar. O que você mais gostaria da fazer na vida? Um lugar? Uma pessoa? Um sucesso? Aquelas palavras que você gostaria de ter dito e nunca teve a coragem? Quando mais sincero for, melhor ficará, muitas historia minha nascem do “e se…?” e terminam “nossa, eu não sabia que eu pensava sobre tudo isso’. Nosso subconsciente é um lugar misterioso, divertido e às vezes, doloroso.

Escreva sobre emoções.

Elas sendo fortes ou não, não fuja delas. Elas são importantes, principalmente no clímax da história. Se você é como eu que prefere ir morar no meio do mato a ter que lidar com elas, essa é uma dica.

As encare, pelo menos quando estiver escrevendo. A escrita me ensinou a aceita-las, escrever sobre elas e a deixa-las ir. Do que você tem medo? O que você critica em outras pessoas? No fim, o você mais repudia é o que você tem que focar, pois, essas coisas fazem parte de você, você querendo ou não aceitar.

Eu sempre tive muito problema com figuras de autoridade ou machismo. Eu simplesmente ou era muito combativa, ou fingia que não existia até que eles bateram na minha cara de uma forma tão forte que me derrubaram. Escrever sobre isso me ajudou, e me forçou a construir um ponto de vista pessoal e criar soluções dentro do enredo, o que me fez ver que por mais que você queira mudar o mundo, você precisa mudar primeiro. Outras coisas como beleza, amor-próprio e confiança foi algo que mudou conforme comecei a pensar sobre o assunto, assim, me rendendo historias bem interessantes, sempre com uma voz bem peculiar.

Escreva com sinceridade.

Tudo o que me resta dizer é: seja sincero com seu personagem e leitores.

Sinceridade? Sei que parece meio contraditório… você está inventando tudo aquilo e fingindo através de personagens, mas quando estamos lendo algo é como se passássemos a ser aqueles personagens. Naquele momento a história é real, o mais real possível, então, que tal tentar ser sincero. Colocar em diálogos algo que venha de dentro de você? Não se preocupe, ninguém vai te julgar. Na verdade, as pessoas vão se identificar com o que você tem a dizer. Quantas vezes não quisemos esbravejar e gritar coisas aos quarto ventos? Escreva sobre tristezas, términos, perdas e mortes. Escreva sobre o que nunca pode ser ou o que você deseja para o futuro. Apenas escreva.

Obrigada por ler e não se esqueça de compartilhar com os amigos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.