DICA DO DIA – Para escrever melhor #100diasdeprodutividade #dia9

Olá, como vão todos? Hoje iremos ver alguns aspectos que nos ajudam construir uma boa escrita.

1. Pesquisa e organização

Fazer a pesquisa dos dados que você vai precisar ajuda a poupar tempo durante a escrita. Não somente informação sobre lugares e ideias, mas também qualquer detalhe, como característica de personagens, onde eles moram e lugares que frequentam, ou até pensamentos e sentimentos que você quer que o personagem demonstre. Toda informação é importante, mesmo que não vá parar na sua historia. Ao invés de ficar perdendo tempo procurando coisas pequenas, se prepare e reúna todas as informações me um lugar só para fácil acesso. Organize-as de forma que você entenda sem dificuldade.

É interessante usar algumas horas, de tempos em tempos, para revisar e manter seu planejamento organizado. As vezes pode aparecer uma ideia mais interessante ou algo fato que você queira mudar. Assim, te ajuda manter em mente seu objetivo na historia e para onde você quer se ela vá.

2. Ponto de vista (Foco em um especifico personagem ou acontecimento)

Toda historia deve ter um ponto de vista, uma visão bem definida dos acontecimentos. Primeiro, precisamos definir quem está contando essa historia. Pode ser o protagonista ou o antagonista, ou até mesmo um coadjuvante sempre ali, que sofre ou não as consequências do que acontece. O importante é saber quem está vendo a historia e transmitindo ela. Quando mais claro for o personagem que conta a historia, mais fácil se conectar com ela será, mais fácil é fazer o leitor mergulhar na historia e se colocar na pele do personagem. Até porque dependendo do personagem contanto a historia, os fatos mudam. Se lembre, personagens diferentes, experiências diferentes. Uma coisa interessante a se inserir na historia são informações ou fatos que um personagem sabe e o outro, não. Pode ser uma forma de criar conflito. Pode ser uma forma de manipulação ou esconder alguma coisa. A imaginação é o limite.

3. Diálogos sem relevância para a trama

“— Oi.

— Oi.

— Tudo bem?

— Tudo. E você?

— Tudo.”

Sim, esse tipo de dialogo adiciona exatamente nada a historia. Diálogos devem ser o mais curtos possível e algo interessante deve ser transmitido. Não os use para contar sobre o passado e sim para avançar a historia, ou até mesmo demonstrar sentimentos. Se mantenha no presente e olhe sempre para a frente.

4. Descrições

Descrições, algo bem polêmico. Tem pessoas que adoram ler paginas e paginas de descrições, o que era bem comum no passado. Mas, eu, sinceramente, não tenho paciência. Para demonstrar isso leiam o primeiro capítulo de “Dracula”, eu queria morrer de tanto tédio. Se você é como eu que odeia longas descrições desnecessárias, eu aconselharia colocar descrições durante todo o texto. E só quando for necessário, para não ficar forçado. Nunca faça um personagem descrever a si mesmo, a não ser que ele esteja em frente ao espelho. A questão é, se você usar isso muitas vezes… já sabe. Será que é tão importante como um personagem se parece ou é mais importante como um personagem vê o outro? A descrição é importante para situar um personagem no próprio mundo, mas, por favor, tenha bom senso na hora da descrição.

Existe também descrições genéricas. Que ao meu ver é um dos piores vícios de todos os tempos. É preguiçoso e chato. Coisas como “Ele estava triste”, “Ele sentia medo”. Sei que as vezes vai ser impossível fugir disso, então sempre que possível use o “Mostre, Não Conte”. É uma técnica que deixa o personagem transmitir tudo através de ações ou fala, ao invés de descrever o que ele sente ou pensa. Como:

“Ele estava triste” = Ele encostou a cabeça na mesa e cobriu o rosto, não entendia porque aquele sentimento apertava seu peito. Era uma dos que subia por sua coluna, passava por seu coração e parava em sua garganta, transbordando por seus olhos. Ele não tinha motivo nenhum para sentir aquilo.

“Ele sentia medo” = Ele olhou para trás e analisou a rua deserta. Ele jurava que tinha visto uma sombra quando tinha passado pela arvore, agora, ele não via nada, só o poste de luz, piscando, a penumbra parecendo o rodear em todas as decisões. Ele não viu alternativa, segurou sua bolsa contra o peito e começou a correr. Correu e correu, correu ainda mais quando ouviu passos atrás dele, se aproximando mais a cada segundo.

Bem, algo assim. É uma ótima técnica para sair de descrições comuns e transforma-las em enredo. Além de aumentar a contagem de palavras da forma certa. Se lembrem de ser o mais específicos possível nas descrições que tudo dará certo.

5. Comece pelo importante

Sua cena ou capítulo inicial deve ser o momento mais importante da historia. Não comece devagar ou com muitas divagações. O primeiro capítulo serve para orientar o leitor e dizer qual a promessa da historia e quais são os personagens principais. Uma breve introdução é de bom gosto, porém o resto do tempo serve para apresentar informações importantes. É por isso que existe o desenvolvimento da historia, para apresentar tudo o que não foi possível no começo.

É interessante responder as perguntas básicas de um bom texto logo no inicio: Onde, Quando, O que, Quem, Porque e Como. Se tiver o Resultado, porque toda reação exige uma reação, nem que seja o personagem se negando a algo, seria maravilhoso.

6. Revisão

Eu preciso estressar a importância de reescrita e revisão antes que o texto vá a publico. Por favor, eu suplico, o texto precisa no mínimo de uma reescrita e uma revisão final. Depois da primeira versão e de deixar o texto descansar, a reescrita serve para adicionar detalhes que passaram despercebidos ou verificar erros gramaticais, ou até cortar o que não for necessário.

Já a revisão serve para analisar se restou algum erro e ler como um leitor. O texto está fluído? Os diálogos são dinâmicos? Você se diverte enquanto lê? Porque se você não gostar do próprio texto, como esperar que outros gostem? E claro, procure um beta que faça mais do que corrigir seu texto! Pergunte se foi uma leitura prazerosa, pergunte qual personagem mais gostou e se teve algo que ele não entendeu ou o deixou incomodado. Beta reader não é um corretor gramatical e sim uma pessoa que compartilha a opinião dela de forma critica, porém, sempre respeitosa.

7. Ponto fracos

Isso é algo que eu não costumo falar, porque para mim parece óbvio. Reúna seus ponto de dificuldades e estude sobre eles. É o que eu faço a cada post aqui. Nos últimos tempos tenho estudado bastante sobre personagens. Mas porquê? Porque eu não sabia muito sobre eles, devo admitir. Como eu vim do mundo das fanfics, a historia já estava lá, e os personagens também, já construidos para eu usa-los. Está sendo uma aventura e tanto, eu nunca percebi o esforço que vai na construção deles, na tentação de faze-los sempre iguais ou sempre perfeitos ou até pior, faze-los completamente bons ou maus. É algo que eu ainda luto constantemente. Porque tem uns personagens que chego a adiar do fundo da alma. Então, eu tento entende-los, seus motivos e motivações. É um exercício e tanto.

FONTE

https://writerswrite.co.za/7-tips-from-journalists-to-write-a-better-memoir/

https://baguncamental.com.br/erros-escritor/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.