DICA DO DIA – Como começar a escrever e o que fazer em seguida.

Olá, como vão todos? Hoje, a pedido de um leitor, tentaremos dar algumas dicas de como começar ou recomeçar a escrever e o que fazer em seguida.

De volta ao início

Para começarmos a analisar esse tema, temos que voltar ao princípio. O que te fez começar a escrever, ou a pensar em escrever? Qual foi a sua motivação? Está aqui nossa palavra-chave. Motivação.

No meu caso foi as fanfiction. Sim, eu sei, bem clichezinho. Eu descobri no começo dos anos 2000, sem querer, um site de fanficiton, histórias que na época ainda eram escritos de qualquer jeito, mais parecendo uma conversa de MSN. (Alguém ainda se lembra disso?), porém, era um conceito diferente para mim. Imagina poder escrever o que você quisesse, da forma que você quisesse e com quem você quisesse? Naquela época ninguém se importava com isso e os direitos autorais nem se aplicavam. Eu ainda posso me lembrar, foi a pior e melhor coisa que eu já tinha visto; me dava uma angústia ver aquele monstro sem qualquer tipo de ortografia ou gramática correta, mas também era a liberdade artística e literaria. É claro que naquele momento ninguém via as coisas assim, era basicamente uma forma de falar sobre seu assunto preferido de uma forma diferente através de histórias e receber alguma resposta de pessoas que gostavam da mesma coisa que você. Eu não vou entrar no mérito do que as fanfictions se tornaram, mas tenho toda a certeza que a maioria das pessoas que escrevem e tem por volta de trinta anos também começaram a escrever por causa delas.

Motivação

Agora, voltemos um pouco e vejamos um trecho sobre o que significa motivação:

 “Motivação é um impulso que faz com que as pessoas ajam para atingir seus objetivos, envolve fenômenos emocionais, biológicos e sociais e é um processo responsável por iniciar, direcionar e manter comportamentos relacionados com o cumprimento de objetivos.

Motivação é o que faz com que os indivíduos deem o melhor de si, façam o possível para conquistar o que almejam. Na psicologia é usada para saber o que faz com que as pessoas se comportem da maneira que fazem, de onde sai a motivação, e o que ocorre quando as pessoas não são motivadas. Sem motivação é muito mais difícil cumprir algumas tarefas. É muito importante ter motivação para estudar, para fazer exercício físico, para trabalhar, etc.

A motivação pode acontecer através de uma força interior, ou seja, cada pessoa tem a capacidade de se motivar ou desmotivar, também chamada de auto-motivação, ou motivação intrínseca. Há também a motivação extrínseca, que é aquela gerada pelo ambiente que a pessoa vive, o que ocorre na vida dela influencia em sua motivação.”

Assim sendo:

Todos somos movidos pela motivação, por isso que eu já fiz dois posts sobre esse tema. Portanto, fica claro que a motivação é o primeiro passo para qualquer escritor, sendo um original ou uma fanfiction, todos nós saímos do mesmo lugar. Ela vem do que vemos, lemos, escutamos e estudamos. Eu, por natureza, sou do tipo que gosto de ler de tudo, tanto didáticos, técnicos, literatura ou fanfiction, todos esses fazem parte da minha vida e até novels de culturas internacionais como chinesas, coreanas, americanas e japonesas. Eu leio tudo, me motivo com cada nova coisa que absorvo ou aprendo.

Então, falta de motivação pode ser um dos motivos para que você tenha parado de escrever, ou nem tenha começado. É a falta de vivência de mundo e de conteúdo armazenado na sua cabeça. Se você quiser escrever sobre um soldado de guerra, você precisa ler sobre os soldados na guerra em todas as mídias possíveis. Em livros de história, documentários, livros de literatura, mitologia e até em fanfictions. Tudo é válido e não há vergonha alguma de ir em fontes que algumas pessoas que se acham “intelectualizadas” definiram ser inferiores.

Estrutura

O segundo aspecto que considero mais importante é a estrutura narrativa no geral. Você sabe como escrever um livro? Você como ele é feito? As partes deles? Os conceitos? Que tipos de personagens são necessários? Que gênero você quer se enquadrar? Métodos de escrita? Você entender alguma coisa sobre personagens? Ambientação? Tempo? Desenvolvimento? Diálogo? Mostrar e contar? Narração direta ou indireta? E a gramática, você tem ideia de que tipo de linguagem usar para a sua história? Enfim, são muitos aspectos que eu poderia passar o resto da vida falando, entretanto vou nomear aqui os que são os mais básicos e que você sempre precisará.

  • Motivação

O primeiro já ficou claro. Precisamos conhecer algo para poder criar algo. Nossa motivação, que a maioria chama simplesmente de uma ideia. Mas essa ideia não vem de um estalo mandado pelos deuses. Ela vem de leitura e vivência, vem de tudo o que você consome; livros, musica e vídeos.

  • Estrutura

Assim que descobrimos sobre o que queremos escrever, precisamos organizar essa ideia, dividi-la em pedacinhos de ideias para que ela se transforme em uma narração. Gosto de começar com um tema, que pode ser amor ou morte, quem sabe a boa e velha vingança? Daí tiramos nossa tese (ideia), um órfão segue viagem em busca dos assassinos de sua família. Pronto, já temos nossa tese. Agora, a forma mais fácil de estrutura nossa história é criar um começo, meio e fim. Não se preocupe muito com o fim, ele serve para nos guiar até o fim da história, assim nunca teremos bloqueio criativo, a não ser que seu bloqueio seja psicológico, é claro.

Então vamos lá:

Aqui costumo criar três cenas:

  1. abertura ou exposição: ela deve mostrar seu personagem principal, o que
    ele fazia antes da aventura começar e já deve mostrar o problema ou
    objetivo que ele deverá realizar e resolver.
  2. o meio da história ou desenvolvimento: geralmente é o ponto de virada,
    quando acontecesse algo importante para a história e empurra o
    personagem a enfrentar seus problemas ou medos. É onde ele deve
    enfrentar o antagonista. Nesse ponto ele já está na jornada dele, já
    conhece seus aliados e está ciente de que ele tem um objetivo a cumprir.
  3. final ou conclusão: aqui é onde a história deve terminar ou onde vemos o
    resultado da missão. É onde saberemos se o personagem saiu vitorioso,
    se ele aprendeu alguma coisa e quais foram as mudanças no próprio
    personagem e na história. É claro que pode ser um final em aberto, pode
    ser um derrota também, e as coisas podem até não se resolver se for o
    caso, entretanto o leitor precisa sentir que houveram mudanças e que
    algo foi ganho ou perdido, o personagem tem que ter passado por algum
    tipo de coisa, nem que seja psicológico. O personagem precisa estar
    diferente de como ele começou.

Exemplos:

  1. Soldado voltando da guerra. Estresse pós-traumático. Ele tenta se recuperar e ter uma vida civil. Finge que está bem.
  2. Ele tem uma crise, é levado ao hospital, obrigado a fazer terapia e enfrentar seus medos.
  3. Ele finalmente aceita ajuda e entende que não precisa ser forte o tempo
    todo. Começa a viver novamente e se recupera aos poucos.

Sei que não foi um exemplo tão fácil, quis fazer assim para mostrar que esse esquema pode ser feito para qualquer tipo de história. Em seguida, eu escreveria essas três cenas e focaria em algo, ou no estado psicológico, no físico ou no social. Se fosse para fazer uma história longa faria os três mostrando através das cenas o soldado se acostumando novamente a vida longe do perigo.

Agora, chegou a parte de dividir mais ainda a ideia, a alongando e a transformado em narração. A segredo é se questionar:

  1. de onde ele veio e para onde ele vai;
  2. quem ele costumava conhecer
  3. onde ele morará
  4. como ele agiria em tal sociedade

Basicamente temos que colocá-lo em um ambiente e ver como esse personagem agiria. Definir o tempo, espaço, características do personagem, o que ele espera fazer dali para a frente e onde ele quer chegar seria o suficiente para continuar essa história.

Técnicas de escrita

Assim que definimos o tema, a tese e o roteiro geral da nossa história, eu sugeriria estudar. Sim, foi isso o que você leu. Conhecer alguma técnica de escrita é o que vai te fazer chegar ao fim do seu livro. A jornada do herói é a mais comum usada. Você tem o protagonista herói que primeiro se nega e que acaba aceitando a missão, ele passa por provações ou obstáculos, ganha aliados, enfrenta o vilão e chega ao fim, vitorioso ou não, transformado pela aventura.

Eu tenho que dizer que ainda uso essa técnica, mas sempre a altero. O que eu mais gosto na escrita é escrever sobre o estado mental dos personagens, eu foco em como eles se sentem ou nas vontades deles e até onde eles estão dispostos ir para alcançar as metas deles, mesmo que não seja o caminho certo. Eu também dou qualidades e defeitos, e tento me manter fiel ao que eu planejei no início.

É de grande utilidade saber uma ou outra técnica de escrita. Como o contar e mostrar e o método Snowflake, aqui tem um vídeo em inglês nos mostrando alguns tipos.

As técnicas comentadas no vídeo são:

  • A jornada do herói,
  • A jornada do escritor,
  • The Heroine’s Journey by Maureen Murdock,
  • Estrutura de três atos,
  • PLOT POINTS Screenplay by Syd Field,
  • Story Engineering by Larry Brooks,
  • Structuring Your Novel by K.M. Weiland,
  • MIRROR MOMENT, Write Your Novel from the Middle by James Scott Bell,
  • Super Structure by James Scott Bell,
  • SNOWFLAKE METHOD by Randy Ingermanson,
  • LESTER DENT’S MASTER PLOT FORMULA, SCENES & SEQUELS, Techniques of the Selling Writer by Dwight V. Swain,
  • THE STORY GRID by Shawn Coyne,
  • BEATS & PRE-PRODUCTION Write. Publish. Repeat by Johnny B. Truant and Sean Platt,
  • How to Plan and Outline Novels Using Scrivener Course by Truant & Platt.

Gramática e Ortografia

Sinto informar, mas se você não sabe as regras de ortografia e gramática vai ser muito difícil escrever e comunicar através das palavras a história que você quer contar. Escrever errado não é estilo de escrita, não é um jeito inovador de se expressar, é apenas desleixo, é não se importar com a forma do texto e o modo que você escolheu contar aquela história. Então, se eu fosse escolher os assuntos mais importantes para estudar, eu diria (embora eu ache que seria ideal estudar gramática e ortografia como um todo):

  1. Pontuação,
  2. Crase,
  3. Todos os tipos de orações: coordenadas e subordinadas,
  4. Sujeito e objeto,
  5. As classes gramaticais,
  6. Pleonasmo e Ambiguidade,
  7. Coesão e Coerência,

Como um bônus eu também aconselharia:

  • Evitar advérbios
  • Nunca esquecer da vírgula que isola o vocativo

Mais dicas aqui.

Sinceramente, se vocês repararam, vez ou outra eu acabo fazendo algum post sobre gramática mesmo que vocês não percebam. Esse é um modo de eu sempre rever e estudar junto com vocês.

E agora?

Se depois de passar por tudo isso você ainda não saiba como começar a escrever talvez devamos nos focar em desafios criativos! São os prompts espalhados por aí. Tem um site em específico que eu gosto muito, é composto por uma frase e disso você continua a escrever até o estabelecido. O site é Promptuarium, tem milhares de pequenos pedaços de história lá. Tem no Reddit também, além do tumblr e milhares de blogs.

Um ângulo diferente

Vi no site Ficção em tópicos e achei que seria uma boa tentativa analisar a história de um ângulo diferente. Porque não tentar escrever a partir de um personagem? Ou de um cenário? Ou até da visão de alguém olhando de fora ao invés de ser alguém age ou reage?

Bio de Personagens

Encontrei nesse site uma forma interessante. Que tal primeiro montar a descrição do personagem e baseado nisso, escrever sua história?

Livros sobre escrita

Lembra o que falei sobre estudar? Encontrei em alguns sites aqui e aqui que indicam alguns livros muito interessantes. Eu gosto especialmente de dois:

  • Para ler como um escritor
  • Story, by Anthony Mckee

E ainda, eu gostaria de recomendar outro post, esse do Tales Gubes, eu já participei de uma das oficinas dele e é maravilhoso, foi lá que eu enfim entendi o que é escrever uma história, embora meu tempo por lá tenha sido bem curto, faculdade e trabalho acabam com minha criatividade.

Rotina

Agora, se você ainda não encontrou sua motivação, talvez você devesse incentivá-la. Faça da escrita uma rotina, que em pouco tempo você está sempre motivado a mais. Aqui vão algumas sugestões:

  • Defina um objetivo diário

Quantas palavras você deseja escrever? Escreva todo dia certo número de palavras e depois de alguns dias se tornará algo fixo em você.

  • Defina um horário.

Eu não gosto muito dessa dica, embora ela seja eficaz. Se você se acostumar a escrever em um certo período fica mais fácil escrever.

  • Defina uma meta semanal

Essa é a dica que mais funciona para mim. Se eu falo para meus leitores que vou postar em certo dia, fico mais motivada ainda. Além de ser uma forma de me organizar. Nem que seja 500 palavras por semana, já vai estar ajudando muito.

  • Beta reader

Acho que é de bom gosto ter alguém que te ajude a revisar o texto e ver se há furos no enredo desde o início, assim, é mais uma pessoa te motivando e ajudando, percorrendo esse caminho com você.

  • Aceite as imperfeições

Seu texto não será perfeito na primeira versão, nem na segunda. Talvez na terceira ou na quarta. Talvez aquele seu primeiro livro nunca veja a luz do dia, nunca terminado. A experiência vem com o tempo. Por isso, pegue leve com você. É por isso que existe a revisão que é extremamente necessária para um livro bem escrito. E também aceite a falha, aceite que você provavelmente vai abandonar a escrita de algumas histórias e que está tudo bem. Respire e comece de novo, reescreva tudo e se não for possível, passe para a próxima. Você consegue.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.