COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL

Bom dia, como vão todos? No post de hoje aprenderemos um pouco mais sobre coesão e coerência, que são mecanismos fundamentais na construção textual. Para que um texto seja eficaz na transmissão da sua mensagem é essencial que faça sentido para o leitor. Além disso, deve ser harmonioso, de forma a que a mensagem flua de forma segura, natural e agradável aos ouvidos.

Coesão Textual

A coesão é feita através da utilização correta das palavras, formando a ligação entre frases, períodos e parágrafos de um texto. Ela colabora com sua organização e ocorre por meio de palavras chamadas de conectivos — Conectivos são palavras ou expressões que interligam as frases, períodos, orações, parágrafos, permitindo a sequência de ideias. Esse papel é desempenhado, sobretudo, pelas conjunções, palavras invariáveis usadas para ligar os termos e orações em um período. Além disso, alguns advérbios e pronomes também podem exercer essa função.

Tipos de Coesão Textual

A Língua Portuguesa dispõe de diversos recursos coesivos, os quais criam vínculos entre as palavras, entre as orações e entre diferentes partes de um texto. Esses recursos estabelecem dois tipos de coesão no texto: a coesão referencial e a coesão sequencial.

Coesão Referencial

Pode ser:

  • Pessoal: utilização de pronomes pessoais e possessivos. Exemplo: João e Maria casaram. Eles são pais de Ana e Beto.
  • Demonstrativa: utilização de pronomes demonstrativos e advérbios. Exemplo: Fiz todas as tarefas, com exceção desta: arquivar a correspondência.
  • Comparativa: utilização de comparações através de semelhanças. Exemplo: Mais um dia igual aos outros…

A coesão referencial é aquela que cria um sistema de relações entre as palavras e expressões de um texto, permitindo ao leitor identificar os termos a que se referem.

Exemplo:

  • O cachorro latiu. Ele fica irritado quando há pessoas na rua, mas é um animal bastante amável.

Nesse caso, podemos dizer que o termo referente é o cachorro. Todas as vezes que o referente é retomado no texto, podemos utilizar palavras para orientar os leitores, indicando se devem voltar atrás para recuperar algo que foi dito ou se devem procurar a informação mais adiante no texto.

A coesão referencial pode ocorrer por meio de algumas figuras de construção/sintaxe, como as anáforas, catáforas e elipses, e as conferências não anafóricas (contiguidades, reiterações). Nesse tipo de coesão, os termos conectivos ou coesivos anunciam ou retomam as frases, sequências e palavras que indicam conceitos e fatos. Isso pode ocorrer através da anáfora ou catáfora.

  • A anáfora faz referência a uma informação que já fora mencionada no texto. Ou seja, ela retoma um componente textual, e também pode ser chamada de elemento anafórico.
  • A catáfora antecipa um componente textual, sendo chamada de elemento catafórico.

Os principais mecanismos da coesão referencial ocorrem por meio da elipse e reiteração.

Coesão referencial por elipse

Exemplo:

  • Vamos à praia no domingo. Você nos acompanha?
  • Vamos à praia no domingo. Você nos acompanha (à praia)?

Entenda: Um componente textual, quer seja um nome, um verbo ou uma frase, pode ser omitido, assim evitando a repetição.

Coesão por reiteração

Exemplo:

  • Aprendizado é dedicação. Aprendizado é plantar o conhecimento todos os dias.

Entenda: neste tipo de coesão é possível repetir o elemento lexical ou mesmo usar sinônimos.

Coesão Sequencial

É a maneira como os fatos se organizam no tempo do texto. Para isto, são utilizadas relações semânticas que ligam as orações e os parágrafos à medida em que o texto é descrito.

A coesão sequencial pode ocorrer por justaposição ou conexão.

Coesão por justaposição (conjunção):

Exemplo:

  • Ricardo é, com certeza, a melhor escolha. Além disso, conhece os meandros da empresa.

Entenda: a coesão sequencial por justaposição ocorre para dar sequência ao texto no ordenamento temporal, espacial e de assunto, ligando orações e estabelecendo relação entre elas. Um exemplo disso são as diversas flexões de tempo e de modo dos verbos, bem como as conjunções, são, de modo geral, os responsáveis pelo estabelecimento e manutenção da coesão sequencial nos textos. Isso significa que os mecanismos de coesão sequencial são utilizados para garantir a articulação entre as partes do texto e para estabelecer relações entre as informações. O controle dos mecanismos coesivos contribui com a progressão temática e promove boa articulação das ideias, informações e argumentos no interior do texto no qual está a base da coerência textual.

Observe alguns termos responsáveis pela coesão sequencial nos textos:

Adição/inclusão

  • Além disso; também; vale lembrar; pois; outrossim; agora; de modo geral; por iguais razões; inclusive; até; é certo que; é inegável; em outras palavras; além desse fator…

Oposição

  • Embora; não obstante; entretanto; mas; no entanto; porém; ao contrário; diferentemente; por outro lado…

Afirmação/igualdade

  • Felizmente; infelizmente; obviamente; na verdade; realmente; de igual forma; do mesmo modo que; nesse sentido; semelhantemente…

Exclusão

  • Somente; só; sequer; senão; exceto; excluindo; tão somente; apenas…

Enumeração

  • Em primeiro lugar; a princípio…

Explicação

  • Como se nota; com efeito; como vimos; portanto; pois; é óbvio que; isto é; por exemplo; a saber; de fato; aliás…

Conclusão

  • Em suma; por conseguinte; um última análise; por fim; concluindo; finalmente; por tudo isso; em síntese, posto isso; assim; consequentemente…

Continuação

  • Em seguida; depois; no geral; em termos gerais; por sua vez; outrossim…

Coesão lexical

Ocorre por meio do emprego de sinônimos, pronomes, hipônimos ou heterônimos.

Exemplo:

  • Machado de Assis é considerado o maior escritor brasileiro. O carioca nasceu no dia 21 de junho de 1839 e faleceu no Rio de Janeiro no dia 29 de setembro de 1908. Gênio maior de nossas letras, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.

Coerência Textual

A Coerência textual é o que dá sentido ao texto e a ideia que se quer passar. Ela garante à escrita maior inteligibilidade e organização argumentativa. Um texto incoerente fica privado de significação, além de não cumprir sua principal função: comunicar. São seis os tipos de coerência que colaboram para a coerência global de um texto: a coerência sintática, a semântica, a temática, a pragmática, a estilística e genérica. É fundamental compreendê-los para quem quer, através da escrita, estabelecer uma interessante relação dialógica com o leitor.

  • É a relação lógica das ideias de um texto;
  • Vem do conhecimento de mundo do escritor;
  • Requer o conhecimento de regras de gramática e ortografia;
  • O texto que obedece à coerência transmite uma relação lógica de ideias que se complementam, não se contradizem e conferem significado à mensagem;

Ou seja, é a formação de uma cadeia de ideias, pois um texto não-coerente seria considerado contraditório e redundante, com ideias incompletas e que não fazem sentido dentro de tal contexto.

Exemplos:

  • O relatório está pronto, porém o estou finalizando até agora. (processo verbal acabado e inacabado)
  • Ele é vegetariano e gosta de um bife muito mal passado. (os vegetarianos são assim classificados pelo fato de se alimentar apenas de vegetais)

Fatores de Coerência

São inúmeros os fatores que contribuem para a coerência de um texto, vejamos alguns:

Conhecimento de Mundo

É o conjunto de conhecimento que adquirimos ao longo da vida​ e que são arquivados na nossa memória. São o chamados frames (rótulos), esquemas (planos de funcionamento, como a rotina alimentar: café da manhã, almoço e jantar), planos (planejar algo com um objetivo, tal como jogar um jogo), scripts (roteiros, tal como normas de etiqueta).

Exemplo:

  • Peru, Panetone, frutas e nozes. Tudo a postos para o Carnaval!

Uma questão cultural nos leva a concluir que a oração acima é incoerente. Isso porque “peru, panetone, frutas e nozes” (frames) são elementos que pertencem à celebração do Natal e não à festa de carnaval.

Inferências

Através das inferências, as informações podem ser simplificadas se partimos do pressuposto que os interlocutores partilham do mesmo conhecimento.

Exemplo:

  • Quando os chamar para jantar não esqueça que eles são indianos. (ou seja, em princípio, esses convidados não comem carne de vaca)

Fatores de contextualização

Há fatores que inserem o interlocutor na mensagem providenciando a sua clareza, como os títulos de uma notícia ou a data de uma mensagem. Isto é, ambos devem saber o contexto escondido no texto para que haja clareza.

Exemplo:

— Está marcado para às 10h.

— O que está marcado para às 10h? Não sei sobre o que está falando.

Informatividade

Quanto maior informação não previsível um texto tiver, mais rico e interessante ele será. Assim, dizer o que é óbvio ou insistir numa informação e não desenvolvê-la, com certeza desvaloriza o texto.

Exemplo:

  • O Brasil foi colonizado por Portugal.

Princípios Básicos

Após termos visto os fatores acima, é essencial ter em atenção os seguintes princípios para se obter um texto coerente:

  • Princípio da Não Contradição – ideias contraditórias

Ocorre quando as ideias não se contradizem e a lógica do texto não é interrompida.

  • Princípio da Não Tautologia – ideias redundantes

Ocorre quando um mesmo termo não é repetido exaustivamente, prejudicando a mensagem e tornando o texto inteligível.

  • Princípio da Relevância – ideias que se relacionam

Ocorre quando o interlocutor percebe a obediência à relação de ideias em uma sequência. Não há quebra.

Quando o ordenamento é incorreto, ainda que as mensagens tenham significado isoladas, a compreensão dos sentidos do texto é prejudicada.

Tipos de Coerência Textual

Coerência sintática

  • Oração assim escreve uma coerência sintática, a ninguém ainda que conheça não. Não entendeu nada?

Pois é, ainda que não conheça a coerência sintática, ninguém escreve uma oração assim. Esse é o princípio básico da sintaxe: construir frases nas quais os elementos da oração estejam dispostos na ordem correta. Além disso, a coerência sintática evita a ambiguidade e garante o uso adequado dos conectivos.

Coerência semântica

  • Manga de camisa/Manga (fruta)

Quando falamos em semântica, estamos nos referindo ao desenvolvimento lógico das ideias, ou seja, à construção de argumentos harmônicos e livres de contradições. A Semântica é a área da Linguística que estuda o significado das palavras, isto é, as relações entre os signos e os seus referentes.

Coerência temática

Quando você recebe um determinado tema para discorrer sobre, você escolhe enunciados que estejam de acordo com a proposta. Esse é o princípio da coerência temática, que privilegia apenas ideias que sejam relevantes para o bom desenvolvimento do tema.

Coerência pragmática

Você sabe o que é pragmática? Trata-se da parte da Linguística que estuda o uso da linguagem tendo em vista a relação entre os interlocutores e a influência do contexto comunicacional. Todos os textos, sejam eles orais ou escritos, devem obedecer à coerência pragmática. Quando você faz uma pergunta, por exemplo, a sequência de fala esperada é uma resposta. Quando você faz um pedido, é pragmaticamente impossível que simultaneamente você dê uma ordem. Quando essas expectativas são quebradas, temos um claro exemplo de incoerência pragmática.

Coerência estilística

O estilo diz respeito à variedade linguística adotada em um texto. Se você optou pelo uso da variedade padrão, é coerente que você a preserve em todo o texto. Não faz o menor sentido começar uma redação utilizando uma linguagem culta e de repente alterar o estilo e empregar a linguagem coloquial, não é mesmo?

Coerência genérica

Está relacionada à escolha adequada do gênero textual. Existe um gênero disponível para cada ato de fala e escrita: por exemplo, se a intenção de quem escreve é anunciar algum produto para a venda, provavelmente ele optará pela linguagem utilizada nos classificados de um jornal. Se a intenção é contar uma história, o conto ou a crônica são opções possíveis.

Adendo:

Para que um texto seja considerado coerente, ele deve apresentar uma relação lógica e harmônica entre suas ideias. Não basta que ele tenha coesão: é fundamental que as suas partes também estejam conectadas no plano semântico, evitando assim deslocamentos de informações, lapsos e excesso de ideias e argumentos incoerentes. É importante ressaltar que coerência e coesão são dois elementos que devem caminhar lado a lado em um texto, pois enquanto um deles ocupa-se com o plano da significação (coerência), outro trabalha auxiliando a estruturação das ideias (coesão).

Níveis de Coerência

Coerência Narrativa

Nesse tipo de texto é obedecida uma lógica entre ações e personagens. Cada ação obedece a um tempo que permite conhecer a ordem dos acontecimentos sem contradições.

Exemplo:

  • Ele ligou à noite para acalmar o desespero dela. Sentou no sofá de couro já gasto, acendeu a luz do abajur na sala já escura. Chamou por querida, clamou por perdão. Relatou o dia e prometeu reduzir os hiatos que os separava. A conversa deu fome. Ele levantou e procurou os últimos vestígios do jantar. Ela ficou saciada com um copo de leite quente preparado enquanto ele lhe fazia juras que seriam quebradas na manhã seguinte.

Coerência Argumentativa

São apresentados exemplos, opiniões e dados utilizados como argumento para sustentar a conclusão. Também é preciso obedecer a uma sequência lógica de acontecimentos para sustentar a argumentação e possibilitar a compreensão da conclusão.

Exemplo:

  • A violência escolar é um problema que envolve toda a comunidade. Do núcleo familiar ao convívio em sociedade, é o Estado, contudo, o responsável por oferecer as condições necessárias para a redução do problema até a sua quase eliminação. Cabe à sociedade interferir para que o Estado desempenhe de maneira satisfatória o seu papel e evite que problemas como a violência na escola prejudique o desenvolvimento da comunidade. Em suma, o problema só terá fim com o envolvimento conjunto da sociedade e Estado.

Coerência Descritiva

Nesses textos é promovido um retrato das pessoas, coisas e ambientes com detalhes sobre suas particularidades. São usadas figuras que condizem com a cena, o ambiente e o tempo onde estão situados os personagens e acontecimentos.

Exemplo:

  • Fazia tão calor naquele dia que as roupas pareciam aderir à pele. Cada passo na calçada era um desafio ao bem-estar devido à temperatura do ladrilho. Mesmo assim, saiu mais cedo e foi fazer as compras de aniversário para a surpresa da noite. Nem mesmo o calor seria suficiente para impedir a festa.

Diferença entre Coesão e Coerência

Agora que chegamos até aqui podemos diferir facilmente a coesão da coerência. Coesão e coerência são coisas diferentes, de modo que um texto coeso pode ser incoerente. Ambas têm em comum o fato de estarem relacionadas com as regras essenciais para uma boa produção textual. A coesão textual tem como foco a articulação interna, ou seja, as questões gramaticais. Já a coerência textual trata da articulação externa e mais profunda da mensagem.

FONTE:

https://www.todamateria.com.br/coerencia-textual/

https://www.todamateria.com.br/coesao-textual/

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/redacao/tipos-coesao.htm

https://www.todamateria.com.br/coesao-sequencial/

https://www.todamateria.com.br/coesao-referencial/

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/redacao/coesao-referencial-coesao-sequencial.htm

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/redacao/tipos-coerencia.htm

http://fatoresdetextualidade.blogspot.com/p/coerencia_5948.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.